quarta-feira, 27 de julho de 2011

Silêncio em mim




Enrosco-me no silêncio em mim,
Escuto o murmurar das águas que deslizam,
Suaves e de minúsculo caudal,
Brotadas das pedras, fonte de vida,
Nascente daquele riacho!
Abrigo-me nas sombras das frondosas árvores,
Onde me encontro, sublimado;
O linguajar dos pássaros,
No seu voar delicado e silencioso,
Eleva-me a um estado de encantamento!
Olhando as flores que bordejam aquele leito
De água transparente, cristalina
Faz-me sentir a paz,
Que o meu espírito procura!
Levo-me nos pensamentos etéreos,
Vagueio por álamos florido;
Vejo flores de rara beleza;
Borboletas, de asas multicolores
Deslumbrantes no cenário que se me depara!
São momentos em que o tempo,
Perdeu a razão de ser.
Ali, naquele lugar e naquele instante,
Só eu e a natureza,
Somos o clímax de um sonho
Sonhado, mas não vivido!

José Carlos Moutinho

1 comentário:

  1. Uma descrição belíssima da Natureza em consonância perfeita entre o Universo Humano e o mundo que nos rodeia!
    Uma sensibilidade desconhecida! Parabéns, Zé Carlos!
    Bji

    ResponderEliminar