Diversas

sábado, 23 de julho de 2011

Somália




Nuvens infindáveis compactas de pó
Do sangue de um povo;
Chão gretado,
Pela ausência da chuva que morreu;
Secura de uma terra, pátria
Seca pela vida e pela humanidade;
Gente que vagueia, como zombies,
Corpos esquálidos, cambaleantes
Embriagados pela míngua;
Olhos desorbitados pela indiferença,
Dos que os culpam por terem nascido;
Barrigas dilatadas pela fome,
Povo agredido e mutilado
Pela injustiça no mundo,
E pelos senhores da guerra,
Gente da mesma gente,
Alheios aos necessitados;
Crianças transmutadas em velhos;
Gente que se mata mutuamente
Para obterem nada…
Ódios entre iguais
Pela sobrevivência;
Terra morta, abandonada;
Corno de fera acossada,
De um continente torturado,
Corno de África;
Terra sem lei, nem vida
Somália…
Onde morrem, como insectos
E vivem pior que vermes;
Gente que morre no nascer!
Que mundo é este?

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário