sábado, 20 de agosto de 2011

Bonança de um novo advir




O silêncio adormecido da tua ausência,
Torna o ontem distante e o amanhã longe
E o agora, provoca um grito amorfo no meu peito,
Estrangulado pela dor do meu querer,
Deixa-me a alma entorpecida pela saudade
De um tempo em que as cores tinham mais beleza;
Em que um simples suspiro,
Era néctar que me inebriava de prazer;
E um abraço tinha o calor do sol!
Mas o agora, não é mais que dura realidade,
Dos sentimentos perdidos em noite de tempestade,
Levados no vendaval das desilusões;
A tormenta absorveu todo o sentir,
De um amor que avassalava as vontades,
Que se desfaleciam no prazer da paixão!
Por isso este grito sufocado no meu peito
Espera libertar-se dos grilhões a que se submeteu,
Quando este amor,
Não for mais que simples recordação
Vivida num mar tenebroso
E a calmaria surja na bonança de um novo advir.

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário