sexta-feira, 18 de maio de 2012

Entre folhas secas




Observo as folhas caducas e ressequidas,
que se alojam aos meus pés,
impotentes na sua debilidade,
antes vibrantes, agora empalidecidas!
Esvoaçam na ténue brisa,
entrelaçam-se entre os meus dedos,
como borboletas esvoaçantes
em cores matizadas
que o tempo pintou!

Os meus pensamentos voam
colados nas folhas leves que se afastam de mim,
vagueiam por entre luares de magia,
levam a paz da minha alma
e as cores da paixão que me toma o coração.

Sentado entre as árvores despidas
de um Outono imaginado,
que se faz Primavera,
na minha vontade em ti,
sorrio-me imaginando os teus beijos,
feitos ausentes,
que virão nos perfumes da Primavera
e levarão este Outono da saudade,
para o horizonte das minhas memórias.

Sossego-me nesta bucólica imagem
de sereno pensar,
que me traz instantes vividos,
em dias de sorrisos solares
e noites de luares cantados.

José Carlos Moutinho

1 comentário:

  1. "Preciosas.
    Andei reparando,
    No vento que derruba folhas,
    Amarelas e secas, muito seca.
    Que eram velhas, aguentavam chuva e sol e tinham seu valor.
    Mas cobriam a passagem das pessoas que por ali transitavam,
    E eram retiradas com uma colher,
    Que nem sei o nome, mais parecia um garfo.
    De chumbo, pesado.
    Detalhe aparente e confuso para à menina pequena.
    Tudo muito pequeno, até mais que o tamanho da pobre criatura.
    Grande, tudo muito grande, bem maior que eu.
    Ou confuso e médio do tamanho da arvore, que se insistia em deixar cair, as preciosas folhas secas.
    (Tempo "ingrato"!_



    Tatiane Salles."

    A melhor parte é que a cada folha seca que caí, tem uma à nascer. E assim prevalece a natureza do amor.

    Te desejo uma ótima sexta-feira, um ótimo final de semana.
    Forte abraço.
    Tati.

    http://tatian-esalles.blogspot.com.br/

    Att.

    ResponderEliminar