terça-feira, 29 de maio de 2012

Sol que se esconde nas nuvens




Quando as tardes se tornam breves
E o sol se esconde nas nuvens de sonhos desfeitos,
O vento sopra amarguras em folhas ressequidas,
Que o tempo secou na ausência de amor!

O céu de azul apagado,
Contempla-me na sua magnitude,
Entristecido pelo meu desalento,
Tenta sorrir-me,
Mas o esgar dos cúmulo-limbos não permite!
Entro em mim, na minha solidão,
Penso-me nos caminhos das ilusões que se perderam,
Das utopias, que não se concretizaram
E nas sonhadas quimeras que se desmoronaram!

Vidas de conflitualidades
Em vivências descontroladas,
Em que as consciências perdem a razão,
Esquecem a verdade,
Deixam-se cair nos desígnios do coração
E levam-se em espasmos de noites sofridas,
Contorcidas por grilhetas,
De almas apertadas pela tortura
da saudade e carência de felicidade.

José Carlos Moutinho

2 comentários:

  1. O sol sempre se esconde, mas na esperança de um por mais belo e faiscante.
    Essa é a nossa única certeza. Parabéns!


    Ótima tarde de terça-feira.
    Forte abraço.
    Tati.

    http://tatian-esalles.blogspot.com.br/

    Att.

    ResponderEliminar
  2. ...traigo
    ecos
    de
    la
    tarde
    callada
    en
    la
    mano
    y
    una
    vela
    de
    mi
    corazón
    para
    invitarte
    y
    darte
    este
    alma
    que
    viene
    para
    compartir
    contigo
    tu
    bello
    blog
    con
    un
    ramillete
    de
    oro
    y
    claveles
    dentro...


    desde mis
    HORAS ROTAS
    Y AULA DE PAZ


    COMPARTIENDO ILUSION
    JOSE CARLOS

    CON saludos de la luna al
    reflejarse en el mar de la
    poesía...




    ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE THE ARTIST, TITANIC SIÉNTEME DE CRIADAS Y SEÑORAS, FLOR DE PASCUA ENEMIGOS PUBLICOS HÁLITO DESAYUNO CON DIAMANTES TIFÓN PULP FICTION, ESTALLIDO MAMMA MIA,JEAN EYRE , TOQUE DE CANELA, STAR WARS,

    José
    Ramón...

    ResponderEliminar