terça-feira, 27 de novembro de 2012

Levo-me pela mente





Saltam de mim, como vaga-lumes assustados,
os pensamentos em suspiros frios, acuados,
dos calores saudosos de paixões esmorecidas,
soprados por borrascas de desilusões vividas.

Pensamentos que rodopiam em volta de mim,
perdidos em desassossego descontrolado,
que me deixam pensativo e nostálgico assim,
sem rumo, com o meu coração assustado.

Quisera eu poder tudo isso esquecer,
vivenciar novos encontros, novas paixões,
fazer de cada dia o primeiro, do meu viver,
ser forte, olhar a realidade, esquecer ilusões,
agarrar a felicidade, sem ter de sofrer
pressões perversas, em levianas provocações.

Sorrio tranquilo, livre como ave em voo,
Libertei-me de amarras, encontrei novo porto
de abrigo, onde deixarei a minha alma relaxar,
pelos murmúrios das ondas, em sentidas melodias,
que me cantam desejos de felicidade,
e me abraçam em quimeras de futuro.

José Carlos Moutinho

1 comentário:


  1. É sempre com encanto e saudades que leio teus poêmas pois me sempre me falam daquela terra que recordamos com eterna saudade nem hajas, um beso; Célia

    ResponderEliminar