Diversas

sábado, 12 de janeiro de 2013

História de vida





Bem pequeno, quase menino, um dia parti,
para longe, terra distante de sol tropical,
deixei para trás o berço onde eu nasci,
ausentei-me do doce aconchego maternal!

Era uma tarde cinzenta de triste inverno,
as lágrimas deslizavam caladas
pelo lindo rosto de minha mãe,
colavam-se nas rugas sulcadas pelo arado da vida!
Recordo ainda o seu olhar esmorecido,
reflexo do choro gritado pela sua alma,
que me tornava angustiado,
e deixava o meu pequeno coração em sobressalto,
pela inquietude do advir desconhecido!

No cais daquele enorme porto, a mole humana
aglomerava-se na despedida dos seus parentes,
no meio de tanta gente lá estava a velha Ana,
pelo seu filho, tinha o coração e a alma pendentes!

O enorme navio ancorado naquele longo cais,
pintava ainda mais o ambiente triste e escurecido,
nele, partia eu, para Africa misteriosa de muitos ais,
em busca de um futuro melhor, mais garantido,
que este Portugal jamais conseguiu oferecer
a tão nobre povo, cujo destino é nada ter e sofrer!

O que parecia uma aventura afoita e obrigatória,
tornou-se em satisfação vivida com alegria,
aquela terra tinha o dom do encanto e da glória,
onde se viva em perfeita paz e total sintonia!

Esta minha história poderia ser a de muitas vidas,
sentida em Angola de sol fascinante e clima quente,
fiz família e fui homem de honra e paixões incontidas,
demonstro neste sorriso de saudade, sempre presente!

José Carlos Moutinho

2 comentários:

  1. Sou tão mínima e nova, neste muito tão perfeito (o das palavras). Mas enfim, das poucas palavras que poderia usar para descrever o penso desta maravilha , "única" é uma delas. Gosto do andar do poema e do pousar dele, de cada canto e tudo. Gosto!

    Abraços.

    ResponderEliminar
  2. Vim para encontrar novos amigos e ao mesmo tempo divulgar meu blog, encontrei o seu blog que óptimo,
    Quero apresentar o Peregrino E Servo.
    Se desejar fazer parte esteja à vontade.
    Sou António Batalha.

    ResponderEliminar