sexta-feira, 17 de maio de 2013

Era uma miragem




Não sei porque o vento teima em soprar
para longe, os meus pensamentos...
Finco-me neste chão que me sorri
agarro-me às minhas memórias
e repudio este estio ventoso;
Não quero perder a imagem
da minha amada
refletida na copa da azinheira
frondosa, do querer da minha mente,
ela que docemente me contempla
com os seus belos olhos cintilantes
incandescentes de paixão!
Esqueço a eólica teimosia,
levo-me nos murmúrios
da brisa aconchegante
até junto da árvore
onde está o meu amor,
quero tocar-lhe
estendo os braços
acaricio as folhas
imaginando os seus dedos delicados,
estremeço na aspereza dos ramos!
Abro os olhos, confuso,
era somente a ilusão de uma miragem.

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário