Diversas

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Poeta, sonhador e louco



A folha branca inerte que me contempla,
sorri pela minha tentativa de escrever poesia.

Amasso revoltado a folha branca, agora inútil,
onde não poderei mais escrever poesia.

Não me deixarei vencer pela ironia de qualquer folha.
Insisto em ser poeta, ainda que as palavras se escondam
na pena do meu fracasso.

Vacilante, mas determinado, vou escrevendo
palavras desconexas, sem sentido,
ou, talvez tenham o sentido da minha fraqueza.

Desespero neste jogo de imaginação
teimo, volto a escrever,
desta vez as palavras parecem-me lúcidas.

A folha antes branca, agora gatafunhada
Que antes sorria,
descarada, ri-se provocante,
Pasmo perante tal atrevimento...
Se as minhas palavras escritas com brio
me parecem lúcidas, porque ri a ridícula folha

Interrogo a folha silenciosa e quieta,
porquê se ri de mim,
Ela responde calmamente
as palavras podem estar lúcidas, mas tu não!
És poeta, sonhador e louco.

José Carlos Moutinho

1 comentário:

  1. Nossa...adorei esse poema, porque consegui me ver exatamente no teu papel. É ao mesmo tempo doce e sombrio ser poeta. Lindo.

    ResponderEliminar