sábado, 3 de agosto de 2013

Felicidade



Dos dias cinzentos, vieram tardes solarengas,
Da alegria antes mortiça e cansada,
retornou a felicidade e a esperança,
Da tempestade dos sentimentos inquietados
ressurgiu a bonança da paixão latente,
Das flores que iam secando
pelos ventos confusos da mente,
desabrocharam belíssimas pétalas de encantos
em impressionante simbiose de cores e cheiros,
Do sorriso fechado pela tristeza da decisão,
Acendeu-se na sua plenitude a luz do amor,
Dos olhos cansados, esmorecidos
pela dúvida comportamental,
fez-se alvorada cintilante
que se reflectia num rosto antes fatigado,
agora, em pleno fulgor de incontida alegria!

Perdem-se momentos únicos
por caprichos ou preconceitos,
Pensa-se que se vive eternamente
e desperdiçam-se instantes de felicidade,
Porque a felicidade são esses instantes
e na perda de cada um,
agoniza lentamente o coração!
E...Meu Deus...
Quando essas perdas são exageradas,
simplesmente fenece a alma!

Deixa-se de viver
e passa-se a vegetar,
O amor é alavanca que tudo movimenta,
É a essência da vida.

José Carlos Moutinho.

1 comentário: