Diversas

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Sofrimentos



Os dias passam indiferentes à sua dor,
que atormenta, sem piedade a alma, e fere
Profundamente, o seu coração sem pudor,
São castigos infligidos a quem não os quer.

Pergunto-me da razão de tanto sofrimento,
Porquê o azul tão belo dos céus, não abraça
Quem neste mundo, nasceu para padecimento
E somente têm na vida a tristeza como traça.

Revolto-me, no silêncio das palavras mudas,
Que me dominam a voz e me calam o grito
De raiva, para o despertar de orelhas surdas,
De gentes com alma, de amor tão restrito.

Quisera eu, que esta causa não fosse perdida
E que neste mundo de desalentos e vaidades,
Força Divina consagrasse com paixão sentida,
Os que vivem com a desdita das adversidades.

Talvez um dia, mude o destino das nossas vidas,
As dores e sofrimentos acabem, como milagre,
Haja profusão de alegria e felicidade incontidas,
Com dignidade se viva antes que a vida acabe.

José Carlos Moutinho.

Sem comentários:

Enviar um comentário