sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

No crepúsculo da tarde



No crepúsculo da tarde que agita o meu ser,
Escondo os medos na noite que me abraça,
Murmuro às estrelas, os meus queixumes
Na esperança de uma resposta silenciosa,
Vinda da quietude da luz ténue da lua!

Somente recebo silêncio e escuridão,
Suspirados na calada da noite de breu
Que me inquieta mais ainda o coração,
Este meu coração, que ao amor se rendeu!

Da minha essência, faço-me sonhador,
Sorrio-me na doce saudade incontida,
Encho de felicidade meu peito, com ardor,
Deixo a minha alma cantar a paixão sentida!

Escuto as melodias perfumadas de maresia,
Daquele mar, iluminado pelo manto do luar,
Que afagam meu sentir em carícias de fantasia,
Segredando que a alvorada será eterno amar!

 José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário