quarta-feira, 23 de julho de 2014

Tenho saudades de ti, amigo





Sabes amigo, hoje…
Nem sei porquê hoje,
Apeteceu-me escrever estas palavras
Relembrando a nossa velha amizade,
Sei que deves estar tranquilo
Lá no etéreo Além,
Certamente a pensar nos aviões
Que tanto amavas!

Fomos como irmãos, quiçá, mais que irmãos,
Tinhamos o respeito e a sinceridade
Como pilares fundamentais
Que a nossa juventude aceitava, com alegria esfusiante
E da pujança com que a vida
Nos contemplava a cada dia;
Os nossos alvoreceres, meu amigo
Tinham a luz colorida da felicidade
E os sorrisos do futuro,
Que os nossos abraços de fraterna amizade
Transformavam em camaradagem!

Desejava eu, naquele nosso tempo,
Voar pelos céus do atrevimento
Em voos rasantes, pelas copas das árvores
E roçando os campos petrolíferos de Belas,
como tu, meu amigo, piloto audaz;
Lembras-te, sem dúvida de Belas, em Luanda
Logo a seguir ao aeroporto, campos rasos,
De extensão continental
Hoje , bem diferentes daquela época!

Sabes, meu velho amigo…
Tenho saudades de ti,
Nunca te disse, nem sei se te apercebeste alguma vez
Mas tu eras o meu Idolo, eu admirava-te,
Pela tua personalidade, inteligência e tenacidade
Foste o meu melhor amigo, Luiz Carlos;
Foi bom o que passámos juntos e que eu jamais esquecerei,
Lamento com tristeza, que te tenham desviado dos amigos,
E que te fizessem uma pessoa menos feliz!

Gostaria agora dar-te um abraço,
E sentados nas escadas do tempo,
Recordarmos tantos e belos momentos,
Que passamos juntos
E volltarmos a sobrevoar aqueles campos,
Eu aos comandos do teco-teco Piper cub,
Segurando o manche com a firmeza da coragem
Que tu me impunhas, como comandante,
E eu simples aprendiz a que o Destino
negou ser piloto, de aviões como tu
Esse mesmo Destino, que a ti, a vida roubou!

Sabes, meu velho amigo,
Doem-me as saudades, guardadas na minha memória,
das noitadas que passávamos, a falar de namoradas e paixões!

Ah…meu amigo, tomara que este Destino
Que nos tem contrariado os sonhos,
Tenha a coragem de nos fazer encontrar um dia,
  no hangar que frequentas, possamos fazer taxiway
E voarmos, juntos serenamente
Pelos céus da Eternidade…
Tu, meu comandante e eu eterno aprendiz.

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário