Diversas

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Escuridão da vida





As pedras da calçada são espinhos



nascidos das flores secas da miséria,



plantadas em jardim de infelicidade!



Neste chão duro, onde dormem os sonhos,



empedernidos pelo vento da tristeza



e onde se encolhem petrificados pelo frio



os corpos de vivos mortos,



perdidos pelos caminhos do nada!







São companheiros desta desgraça,



cães esquálidos como eles próprios,



que se aquecem mutuamente



empastados pela sujidade que os enegrece!







Quantos desses seres, vagabundos da sorte,



tiveram um dia um lar reconfortante 



e o afecto da família e amigos…



E hoje, abandonados pelo destino,



ou talvez tenha sido o destino escolhido,



são seres vivos sem vida,



são zombies deambulantes sem presente



por caminhos sem futuro!







E as pedras da calçada, são o leito



o leito de um rio de sangue,



lar de desgraçados,



ninho de gente devorada por parasitas



e de pele enrugada pela imundice…







Pobre gente que se deixou cair



por infelicidade ou vontade própria



na escuridão da vida.







José Carlos Moutinho

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Equilíbrio mental





Andei por caminhos que se distanciavam de mim,



evitei atalhos que sorrindo me chamavam,



encontrei pontos de equilíbrio no vazio,



recusei alegrias inventadas,



segurei-me a ramos suspensos



agitados pelo sopro da ventania,



e fiz-me caminhante com destino traçado,



rumo a um imaginado porto de abrigo



que me trouxe a serenidade



que me vai iluminando o futuro,



apagando as mágoas escondidas



no âmago do meu sentir!







Minha caminhada é calma,



desvio-me da acutilância das palavras,



faço ouvidos moucos às tempestades,



sorrio-me aos relâmpagos da ignomínia



ignoro os murmúrios cinzentos



da invidia brisa,



pois vejo nas estrelas a luz do  horizonte



da minha realização pessoal.







José Carlos Moutinho

sábado, 21 de novembro de 2015

Poema que nunca foi meu




É na solidão que eu me encontro
e me invento através do silêncio
pelas palavras que descubro dentro do meu sentir
e lhes falo docemente, pintando-as no papel branco,
imaginando-as a mais bela tela da minha emoção,
transformo o alvo papel em paleta de múltiplas cores,
vou retirando uma a uma delicadamente
e crio palavra após palavra que se vão aconchegando
no meu anseio de poeta…

E as palavras tomam a forma do meu querer,
rimam nos versos que vão surgindo
como que por arte mágica
e fazem-se metáforas de sentimentos,
agrupam-se em estrofes de sensações
que bailam livres aos olhos de quem as lê
e fazem delas o poema dançado pela melodia
que lhes penetra fundo na alma
e pensam seu, o poema
que eu acabei de criar e já não é meu.

Observo a satisfação de quem o leu
E sorrio, feliz e realizado
Por transmitir um sentimento
em mim latente, para o/a leitor/a
o absorver com a ânsia do seu coração.

José Carlos Moutinho

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Não me grites, ó vento



Por que me gritas tu, ó vento norte
Se eu, aqui no meu silêncio, te escuto,
Não me sopres, descontrolado assim,
Acalma-te, bem sei da tua bravura
E de nada adianta te exaltares
Por que de repente, tão de repente
te fazes suave brisa…
Sente a dor das folhas das árvores
Que se agitam com a tua fúria,
Escuta o silêncio das vozes das aves
Que se calaram apavoradas com tua raiva!

Entendes-me agora, ó vento
Por que te prefiro calmo
No teu soprar refrescante de Outono
Ao teu invernoso e obstinado vendaval?

Quando te acalmares, ó vento frio
Vem aconchegar-te aos pés do meu sentir,
Estarei à tua espera,
Serás meu companheiro na solidão
Que me fez esconder do teu sibilar…
E juntos na serenidade da tua acalmia,
Cantaremos em uníssono
Melodias nostálgicas de saudade,
A saudade do teu soprar refrescante
Quando te vestias de acariciante brisa
Nas tardes quentes de verão.

José Carlos Moutinho​

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Sol e Mar da minha saudade



Enquanto eu contemplava o sol
que se ia escondendo no horizonte
levando a sua luz ao outro lado do mundo,
eu ia refrescando os meus pés
nas tropicais e cálidas águas da minha juventude
e deixava o meu olhar navegar silenciosamente
sobre o dorso espelhado pelo sol,
daquele mar azul-esverdeado,
que tantas vezes acolheu a minha rebeldia
nos mergulhos inconsequentes
que a minha impetuosa adolescência permitia…

Passaram pela estrada do tempo, os dias,
os meses e tantos e tantos anos,
voltei àquele lugar, ao mesmo cenário de outrora,
para ver novamente o sol,
que me pareceu diferente ou talvez não,
diferente estaria eu, certamente…
E mergulhei os meus pés agora, cansados e rugosos
naquelas mesmas águas…
Não! As águas não eram as mesmas
estas sim, estavam bem diferentes,
não tão límpidas, nem sequer tão cálidas,
como aquelas que me conheceram por imensos anos!
A tristeza fez-me rolar duas lágrimas pelo rosto,
a saudade do outro meu tempo apertou-me o peito,
meu coração chorou e minha alma suspirou…
Continuei a olhar, de olhos húmidos
aquele pôr do sol da minha memória,
e quando ele se escondeu do outro lado do mundo,
sorri ao mar, suspirei longamente,
enchi o peito de ar fresco
que me chegou sereno nas asas da brisa,
levantei-me, caminhei de retorno a casa
e chorei desoladamente a perda daqueles amores,
companheiros da minha vida!

A vida é de uma mutação quase irritante,
numa insistente permanência dos piores instantes
em detrimento dos mais belos momentos de felicidade.

José Carlos Moutinho  

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Já não sei escrever





Já não sei escrever poemas,
um vendaval levou-me o inventar metáforas,
voaram com as folhas secas do outono matizado...
Agora,as minhas palavras caem fundo,
bem fundo como corpo inerte em charco escuro,
o vento sibila-me vozes taciturnas
e sufoca o silêncio da minha alma
nesta solidão, que me tolhe os pensamentos...
Já não sei escrever palavras de encanto,
nem tampouco sei as cores das flores
e menos ainda, se o sol me ilumina ou escurece…
Só sei que o luar me esmorece
e torna-me bruma de uma vontade cansada
por que as palavras descoloriram-se
na chuva de uma cruel melancolia,
ausentando-se de mim,
do meu sentir, do meu pensar poesia,
murcharam as flores nos muros do desânimo.

José Carlos Moutinho

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Sou o que quer meu querer



Sou o sal que me alimenta,
o sol é a energia da minha vida,
sou um ser que do mal, se ausenta
no abraço mostro minha alma despida.
   
Sou o querer sem o saber contrariar,
sou a emoção da palavra verdadeira,
vivo a vida que me foi dada a aceitar,
serei assim, até à minha meta derradeira.

Jamais serei o que os outros inventam,
vivo a verdade no meu sentir efémero,
compreendo todos aqueles que o tentam
mas ignoro tudo o que não faz meu género.

José Carlos Moutinho

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Quando eu era um menino





Quando eu era um menino,
Pensava que o mundo era feito de sorrisos
E que as aves cantavam a felicidade
E o sol existia para nos aquecer o corpo
E o luar para nos iluminar o caminho
na escuridão da noite, onde se escondiam os medos!

Quando eu era um menino,
Sonhava que no futuro só haveria amizade
E que em cada amigo, houvesse um abraço
E em cada abraço, a sinceridade da fraternidade!

Ah…Quando eu era ainda um menino…
Vivia um outro mundo, que não este
E era tão inocente, tão ingénuo e…sonhador
E agora que deixei de ser aquele menino,
Sou o desencanto da ilusão que me invadia,
Despertei daqueles sonhos, no breu da crua realidade!

O sol e o luar existem por que a natureza não é humana
Sim, a natureza não se verga à maldade dos homens
E por isso se fazem presentes todos os dias…
A amizade que eu sonhara em menino tornou-se utópica
Existe alguma, é certo, mas tão escassa
E tantas vezes essa amizade, mesmo rara, é de falsidade!

Ah…que saudades eu tenho de quando eu era ainda um menino…
Guardo em mim a nostalgia daquele outro tempo
Um tempo em que eu, menino, sonhava…

Agora, resta-me respirar a melancolia dos dias!

José Carlos Moutinho
6/11/15