As gaivotas voam

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Chovia suavemente

...
Chovia suavemente,
as gotas escorriam-lhe pelo rosto
misturando-se com o suor do cansaço,
indo inundar o peito daquele ser desconhecido
de todos e do mundo!
Caminhava pela calçada velha e castigada,
carregando nas costas um saco velho de coisas velhas,
eram trapos e papéis, desperdícios da futilidade,
que fariam a riqueza daquele homem,
cansado pela fome,
castigado pela vida sofrida e perdida!
 
Será que aquele infeliz esfarrapado
tem coração e alma,
ou perdeu-os na ruas calçadas por frias pedras,
onde não existem coração nem alma,
neste nosso mundo indiferente e soberbo?

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário