As gaivotas voam

SOBRALINHO

sábado, 31 de março de 2018

Caminhos árduos




Eram árduos os caminhos
que teimosamente, aqueles pés
pisavam, por entre pedras e espinhos
percorrendo dificuldades e sucessos de lés a lés

Porém, sua resiliência incentivava-os à caminhada
esperando que as pedras florissem
em acalmia pela longa estrada
e com amor a cobrissem

E a estrada floriu e o poema nasceu,
animou-se a ilusão voltaram os sonhos
as pedras sorriram felizes
e o horizonte matizado despontou
entre o verde do mar e o azul do céu

José Carlos Moutinho


sexta-feira, 30 de março de 2018

As vozes


As vozes não passavam dali
soavam a qualquer coisa falsa,
diferente do usual, com elas não me iludi,
pareciam vir de alguém com alma descalça


Podia ser unicamente impressão minha
e prestei ainda mais atenção aquele som,
realmente confirmei a impressão que eu tinha
as vozes que eu escutara não eram de bom tom


José Carlos Moutinho

quarta-feira, 28 de março de 2018

Basta um abraço


...
Podes sorrir
dizer palavras simpáticas,
mas se não sentires o sorriso
as palavras soarem a nada, por serem ocas,
de nada vale o que pensas ser importante!

Então, não sorrias, cala as palavras,
basta um abraço, porém, que seja sincero
para transmitires todo o sentimento
que se desprenda da tua alma!

E acredita que, até no abraço,
se não for sincero,
descobre-se facilmente a falsidade

José Carlos Moutinho

Talvez


...
Nunca nos tocámos,
porque as nossas mãos
timidamente ficavam distantes,
nunca nos falámos
porque o que os nossos corações queriam dizer
as palavras envergonhadas calavam,
nunca mais nos vimos,
jamais voltámos a cruzar nossos olhares…

Talvez tenham ficado ancoradas
nos nossos corações
as palavras que gostaríamos ter dito

José Carlos Moutinho
2017