As gaivotas voam

domingo, 29 de julho de 2018

Queria ó vento


Queria ter-te agarrado ó vento
naqueles imensos momentos
em que tu sopravas quietude…
não te segurei, por displicência

agora de nada adianta eu prender-te,
porque tu próprio mudaste,
andas agitado,
sopras para todos os lados
como se estivesses tu, também, inquieto
do mesmo jeito que eu,
desassossegado e descontente
com o voar das emoções
transformadas em aluviões
que tudo inundam e destroem

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário