segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Luar que me canta




Nestes dias que se tingem de cinzento,
Pela exaustão do sol esvaído,
Levo-me nesta estrada de nuvens,
Na demanda de novos horizontes,
De mundos onde a luz seja constante,
A fraternidade uma palavra assertiva,
Os sorrisos brotem da alma
E os abraços sejam o calor da vida!

Ainda que seja uma vã busca,
Irei sem destino,
Construindo ilusões,
Cruzando emoções,
Abrigando sentimentos,
Inventando arco-íris
Nos mares de esperança!

Certamente que encontrarei
Flores que me sorriam,
Aves que me cantem,
Gente que se afague
Na singeleza da seda,
De mãos abertas e acolhedoras!
Os dias voltarão a pintar-se
De alegres e vivas cores,
Matizadas de paixões despertadas;
O sol virá com todo o seu vigor
E eu sentirei a felicidade
Do meu sonho realizado;
Quando o crepúsculo chegar,
Descansarei finalmente,
Sob o manto do luar que me canta!

José Carlos Moutinho

sábado, 28 de janeiro de 2012

Enquanto há vida...



Desesperam-se as vontades,
Perdem-se as razões,
O mundo tumultua-se,
Revolta-se, intriga-se e conspira!
As pessoas sofrem por carências várias,
A fome assola continentes,
Flagela injustamente inocentes,
O frio penetra em corpos nus,
E mata congelando almas!
Crianças partem prematuramente,
Combalidas pelos males que não pediram!
E a terra gira em torno do seu eixo,
Nas vinte e quatro horas de um dia,
Sem parar de nos surpreender,
Nas suas belezas e destruições!

Interrogamo-nos, porque se morre,
Tantas vezes em sofrimento,
Outras repentinamente
E teimamos em fazer as mesmas asneiras,
Enfrentando os perigos,
Desafiando as gravidades
E cometendo loucuras,
Provocando a morte!

Resguardamo-nos na carapaça
Do milagroso e velho ditado,
Há esperança,
Enquanto há vida...

José Carlos Moutinho

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Imaginário



Ancorado no promontório do presente,
Levo-me em pensamento,
Pelas falésias do passado,
Até às areias roliças dos prazeres vividos,
Pela saudade que se torna latente,
Nas memórias que o tempo teima em esquecer!

Os meus pés são acariciados pela espuma,
Das emoções
De ondas feitas instantes,
No marulhar de fascinante melodia,
Que me hipnotiza os sentidos!

Navego na serenidade que me transcende,
Pelo reflexo do sol,
Sobre o dorso deste mar imenso!

Sou transportado por indizível mágica,
Ao futuro,
Que se faz delirantemente belo,
Pelas nuances iluminadas!

Chego ao horizonte,
Onde o céu beija o mar
E as estrelas abraçam golfinhos,
Ao som do cântico das sereias.

Estou no futuro, do imaginário.

José Carlos Moutinho

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Frémitos



Pela janela entreaberta,
Sorrateiro, espreita o sol,
Carinhosamente abraçado pelo vento,
Que ao som das baladas das ondas,
Daquele mar azul de lembranças,
Traz doces instantes
De tempos vividos,
Em cabanas de quimeras!
Dos seus raios cintilantes
Que lampejam utopias,
Fazem vaguear pensamentos
Por céus feitos estradas,
Dançar ilusões por areias
De desertas praias,
Onde desejos se fizeram paixões,
Em espumas de prazer,
Nos devaneios da inconsciência
De corpos escaldantes,
No rolar das águas, em orgasmos
De frémitos gemidos,
Em suores de excitação lasciva.
José Carlos Moutinho

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Vulcão dos sentidos



A minha alma anima-se no reflexo cristalino
Do Sol da vida, espelhado nas águas
Das minhas memórias!
Traz-me lembranças daquele amor,
Que um dia me sufocou de tanto doer,
De paixão e emoções exacerbadas,
No sentir de prazeres desatinados,
Levados em voos sem rumo,
Sobre as areias quentes de um fogo,
Feito vulcão nas entranhas do nosso ser!
Na ausência do ar, estrangulado no beijo,
De anseios rebuscados sob o manto do luar;
Pensamentos esmorecidos na sensação,
Carinhosa do teu forte amplexo
E na carícia da tua pele sedosa,
Perturbadora dos meus sentidos;
O murmúrio dos teus lábios,
Quando beijavam os meus ouvidos,
Fazendo-me desfalecer
Num torpor de extasiante volúpia!

Acabam-se-me as lembranças
Que se levam na suavidade
Do crepúsculo que me desperta.


José Carlos Moutinho

domingo, 22 de janeiro de 2012

Desabafos D’Alma



Deixo-me levar nestes pensamentos,
De folhas soltas, esvoaçadas no vento
Da tua imagem!

São borboletas de emoções,
Saltitando em galáxias de ilusões,
Que se confundem em frustrada paixão!

O sol que me envolve,
Em silenciosa doçura
Num abraço de calada ternura,
Imaginado em braços invisíveis,
Aconchega-me o meu perturbado sentir!

Invento-me na lonjura de um tempo,
Que voltará profícuo de ti,
Ainda que dunas de desalentos,
Feitas muralhas,
Neste oásis do meu querer,
Tentem impedir-me de te respirar!

És o lago onde mergulho
E afogo as minhas mágoas!

És o vento que me seca as lágrimas!

És o corpo do mar em que me deito,
Nas ondas onde te sonho,
Pela carícia da espuma que me beija.

José Carlos Moutinho

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Aquieto os pensamentos



Vagueiam-me os pensamentos, pelos minutos
Deste tempo, que foge ao meu controle,
No desalinho de vivências desatinadas
E que a memória teima em não esquecer!

Tentam as suaves brisas, soprar bonanças,
Sossegando tempestades, de emoções perturbadas,
Arrastadas por vendavais de sofridas dores!

E na acalmia desta brisa que me abraça,
Entro numa espiral de um sentir relaxante;
Invento paixões escondidas nos astros,
Ilumino a alma com o cintilar das estrelas,
Deixo entrar em mim, os sons impercetíveis
Das aves, que me voam, protetoras!

Ecoa no meu peito o grito de liberdade,
Que abre as amarras das minhas vontades, por realizar
E dos meus sonhos jamais concretizados!

Deixo-me envolver nesta utopia,
Que me prende ao desejo quimérico;
Aquieto os pensamentos,
Sossego a memória,
Esmoreço o corpo,
Saio de mim...
Voo livre, enfim!

José Carlos Moutinho

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Esperança...de nada



E tantos eram, que desequilibrados,
Caminhavam descalços, por estradas esburacadas,
Frias de morte, que lhes trespassava a alma,
Na dor despida de agasalho!
Porém, nos seus corações,
Jamais esmorecia a esperança,
Palavra de alma sentida,
Tão raramente conseguida!
Nos rios que transbordavam
E alagavam os seus campos ressequidos,
Pelas intempéries da miséria,
Na esperança da fertilização,
Em futuras plantações;
Esperança desiludida,
Nos caudais impetuosos,
Que tudo arrasavam!
E da esperança,
Do produto brotado da terra,
Resta-lhes somente lama e desespero,
Do desconforto,
Em corpos desnutridos!
E seguem, de almas feridas,
Corações sofridos,
Pés descalços,
Estômagos vazios,
Caminhando em busca da esperança,
Filosófica e mítica palavra,
De Esperança...
De nada.

José Carlos Moutinho

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A ti, mulher...


Quando te vejo, pula-me o coração,
Na louca vontade de te abraçar,
Será desatino ou doce paixão,
Ou talvez seja o meu modo de te amar.

Quisera ter-te em meus braços,
Sentir o calor do teu corpo,
Aconchegar-me nos teus abraços
E deixar-me assim, totalmente absorto.

Beijar os teus lábios vermelhos,
Doce sensação que muito anseio,
Quero seguir os teus conselhos,
Que me deixam em total devaneio.

Vem, entrega-te, deixa-me te amar
Funde o teu corpo no meu,
Deixemos esta paixão nos levar,
Na infinita volúpia pelo Céu.

José Carlos Moutinho

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Chamada do vento




Lá fora, sibila aflitivo o vento,
Como se chamasse por alguém,
Era um som triste
E simultaneamente lânguido;
De Alma perdida no vazio,
Em busca do amor que partira!
Arrepia-me,
Provoca-me forte ansiedade
E inconscientemente, deixo-me levar
Pelo vento de angústia desconhecida;
Os meus pensamentos amorfos,
Vagueiam-me pelo corpo desfalecido,
Numa letargia que me domina;   
Sinto-me levitar...
O meu corpo permanece estático,
Vejo-me, sorrindo-me...
Inefável situação que me seduz!
Cintilam raios luminosos,
O azul do céu é fantástico, inigualável,
Talvez seja o paraíso eterno
E vislumbro, bela, lá no horizonte,
Entre duas estrelas,
Uma mulher fascinante...
Será ela, que me chama pelo vento?

José Carlos Moutinho

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

A paz do poeta



As palavras soltam-se,
Deslizando na ponta da pena,
Definindo emoções e sentimentos,
Podem tornar-se acutilantes ou doces!
As palavras transcrevem a alma do poeta
Que deixa espelhar os seus momentos;
As palavras podem ser agrestes e terríveis
Na inquietude do poeta;
Adquirem toda a beleza do ânimo
Se este está feliz!
É nesta conjugação de estados de alma,
Que amor e paixão assumem lugar de destaque!

A paz está com o poeta,
Se as palavras sorriem…
E ele voa nas asas da ilusão;
Quando os seus sonhos acariciam as palavras
Que beijam o papel,
Num frémito de prazer
E o fazem esquecer a escuridão
Das noites de angústia,
Para ser iluminado pela aurora das emoções!

Aí sim, o poeta está em paz,
Porque a sua alma sensível está bem!


José Carlos Moutinho

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Quero-te



Quero sentir o teu beijo,
Que me pedes suave, devagarinho,
Ter o gosto da tua boca na minha;
Sentir a tremura do teu peito,
Que se aperta no meu!
Relaxo ao toque da tua mão, que me acaricia,
Enquanto nossas línguas se digladiam
Num mistério extasiado de prazer;
Quero ter-te apertada em mim,
Emoção tantas vezes sentida
E sempre loucamente desejada!
Quero entrar em ti,
Seres corpo do meu corpo,
Quero-te como minha rainha
E eu o teu escravo deliciado com a volúpia,
Que me proporcionas docemente!
Quero escutar os teus gemidos roucos de desejo,
Adormecer no teu sonho
E acordar na doce emoção da paixão.

José Carlos Moutinho

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Preconceito e petulância



Que mundo este onde preconceito
Ofusca a tradicional verdade,
Fazendo da falsidade preceito,
Mentindo com tanta autoridade.

Serão arautos da sabedoria,
Em dementes cabeças vazias,
São petulantes com a ousadia
De mudarem o real em utopias.

E nas suas consciências ocas,
Pensam-se catedráticos da razão,
Quando as atitudes são poucas

Pavoneiam-se alardeando saber,
Que na verdade é pura ilusão
E vontade excessiva de ser!


José Carlos Moutinho

domingo, 8 de janeiro de 2012

Memória nostálgica (De Luanda/Angola)



Vai-se o tempo esvaído nos minutos que correm,
Vem a saudade, cada vez mais intensa
Nos segundos que nos restam;
À memória, surge forte a lembrança
Do bulício alegre da “mutamba”
No vai vem dos “machimbombos”;

Recuo em mim, sinto-me nos “musseques”
Impregnados de fortes odores,
Olvidados nas farras de rebita,
Prolongadas pelas longas noites tropicais
E nas místicas batucadas de outras noites;
Quisera ouvir novamente,
O gemido pungente do “kissange”!

Ah...Como relembro a gritaria das “quitandeiras”
Enroladas em panos coloridos, feitos vestidos,
Apregoando os “cacussos”
As “lavadeiras”, de trouxas de roupa à cabeça
Gingando, descalças pelas ruas;

Saudoso degustar dos chocos grelhados do “Bitoque”
As “sandes” quentes de presunto do “Baleizão”;

“picadas” a perderem-se de vista,
Adormecidas na terra vermelha,
Onde as chuvas faziam exalar
Cheiro único de terra molhada;
Aos meus olhos aparece como uma real visão,
As imensas matas de luxuriante vegetação,
Os cafezais com o seu fruto vermelho;
Extensões eternas de verde do sisal,
Perdidas na lonjura;

Ai, saudoso fascínio olhar o mar
E admirar o sol a esconder-se
Em lânguida mansidão,
Espalhando as suas cores quentes deslumbrantes,
Multiplicadas nas ondas brilhantes do Atlântico;
As praias de belas areias da Ilha de Luanda
Que nos acolhiam
E nos mergulhavam nas suas belas e tépidas águas;

Esta tela multicolor de memórias
Ficou na saudade de um viver que se foi,
Acordado na lembrança de hoje.

José Carlos Moutinho

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Murmurar das ondas



Chora-me a alma,
No mar que embate nas rochas das minhas mágoas,
Por onde escoam lágrimas da minha saudade,
Das paixões vividas e sonhadas,
Em quimeras tantas vezes imaginadas,
Que o tempo deixou esmorecer!
Imagino-me a falésia,
Sofrendo a agressão da água da minha tristeza
E nem o brilho do sol,
Aquece a minha nostalgia,
Refletida no dorso deste mar azulado,
Abraçado e beijado pelo céu, lá longe no horizonte!
Deixo-me levar no murmurar das ondas,
Que me sussurram palavras de esperança
E me exortam a sentir a carícia da espuma,
Despertando os meus dormentes sentidos,
Para a busca de novas emoções.

José Carlos Moutinho


quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Pensando quimeras



Este Inverno que me visita,
Trouxe-me a saudade
Da Primavera dos teus beijos,
Desenhados em pétalas vermelhas
Dos teus sorrisos de gardénias
E nos teus abraços aconchegantes,
Embrulhados em aromas feiticeiros,
Que me inebriavam docemente
E me faziam abandonar-me em ti,
Nas carícias dos teus esguios e sedosos dedos!
Mesmo com as folhas cansadas,
Que caiam com a chegada do Outono,
Não me fizeram olvidar a tua tez,
Agora matizada no sol que enfraquecia
E lentamente se tornava alva,
Na candura do teu ser,
Iluminada pela nascente alvorada,
Tornando-te ainda mais sensual!
E agora com o tempo frio,
Deste Inverno que me abraça,
Quero voltar a sentir o teu calor,
No afago do teu corpo fundido no meu
E novamente...
Deixar-me abandonar em ti.

José Carlos Moutinho

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Cosmos insatisfeito



Flutuam poeiras no céu azul,
Escondem partículas de sonhos,
Que vagueiam no espaço vazio,
Fugindo das desilusões!
O sol atinge o seu clímax,
Irradia calor que afaga esperanças;
Cintilam raios como flechas de cupido,
Solta-se o amor em cristais;
No horizonte o céu prolonga o mar
Que desperta do seu sono fugaz
E se agita em ondas suaves de carícias
Que beijam as areias douradas,
E delicadamente desfazem-se em espuma
De alegria e prazer da vida!
Cheira a fantasias vindas do nada,
Em pétalas de flores imaginadas,
De mágicas fragrâncias,
Abraçadas a alvoradas por inventar!
O Cosmos corre veloz pela Via Láctea,
Ignora as estrelas que lhe sorriem,
Procura outras galáxias,
Insatisfeito, quer o inexistente
E esquece, displicente,
A beleza nele contida
E as maravilhas em seu redor.

José Carlos Moutinho

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Voar até ao Infinito



Cambaleio nas areias do deserto de mim,
Em inconsequente estado de loucura,
Nestes dias tristes de cinza,
Sob nuvens tatuadas de tempestades,
Que se esbatem,
Na calmaria do oásis de bonanças,
Nas ilusões de verdes esperanças,

No querer do meu sentir,
Que me navega no âmago
E na emoção do meu ser,
Pensa-me em doce sonho,
De que este sol escaldante,
Derreta a frieza das noites sofridas,
Pelo abraço azulado dos luares,
De estrelas cintilantes e guias
Dos caminhos de inflorescentes plátanos,
Onde repousam aves,
De encantadas cores e de chilreios
De incontida alegria,
No despertar da aurora de cada dia,
Fazendo deste espaço cósmico,
Um mundo diferente,
Nos arco-íris do deslumbramento

Tal Zeus, no dorso da águia-real,
Aconchegado nas suas asas,
Sobrevoo vales e montanhas,
Invento mares insondáveis,
Deixo-me voar...
Voar até ao Infinito.


José Carlos Moutinho

domingo, 1 de janeiro de 2012

Devaneando



Sento-me em nenúfares de belas cores,
Mariposas esvoaçam à minha volta,
Sinto nelas a tua presença,
Que me envolve no afago dos teus braços!
As asas que batem em sintonia melódica,
És tu no teu sussurrar de palavras doces,
Nos meus ouvidos em deleite!
As águas verde-azuladas que me sustentam,
É o teu corpo onde eu flutuo,
Que no agitar silencioso, pela brisa suave,
Faz-me deslizar pela ondulação em ti,
Fazendo-te o meu porto de abrigo,
Na imaginação que voa sobranceira,
Às nossas mentes em êxtase!
O nosso abraço é a união de elos
Indestrutíveis, nesta corrente de paixão,
Que nos amarra a um sentir,
De prazer desmedido e nos arrasta
Para uma execução coreográfica
Côncava/convexa,
De movimentos ritmados,
Num arfar de respiração sufocada,
Na líbido que nos transpira
E nos poros que se incendeiam,
No auge do clímax.

José Carlos Moutinho
1/1/12