sábado, 31 de janeiro de 2015

Emoções





As emoções são sentires da alma,
é brisa que se sente sem se ver,
são desatino ou de muita calma
serão de alegria ou de muito sofer.

Mas que seria a vida sem emoções
se elas são a razão do nosso viver.
no chorar e cantar dos  corações.
até nestes versos que estou a escrever.

Emoções brotam do sentimento
fonte da alma, de águas cristalinas
tantas vezes sem discernimento…

Com emoção deixo este soneto
com palavras singelas e finas
finalizo assim este terceto…

José Carlos Moutinho

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Admirando a natureza





Vagueavam os meus olhos castanhos
P’la verde paisagem em meu redor
Fascinante de encantos tamanhos,
Sorria com a grandeza da sua cor.

Deixe-me enlevar por sua beleza,
O Céu azul, p’las núvens matizado
Tela perfeita com singeleza
Que me deixou assim enfeitiçado.

Ah… Natureza maravilhosa
Tanto ofereces e pouco pedes,
Tens vida tens cor, és caprichosa…

Queres respeito pelo que tu dás
Com satisfação a todos tu serves
Tens em ti a felicidade da paz.

José Carlos Moutinho

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Rio Douro,. no Picote





Sentado sobre as arribas,
Rodeado pelo silêncio da paz,
Absorvo a bucólica paisagem
Que me penetra os sentidos
numa serenidade emocionante!
Olho fascinado lá em baixo
Onde o rio se divide fantasiosamente
E deixo-me enlevar pelo encanto
Que me é permitido apreciar!
Corre calmamente este grande rio
Que se veste de ouro, pelo nome
Cujas águas transportam a vida
E o trabalho de muitos,
Que dele fazem o caminho da esperança!

Ah…estas paisagens deslumbrantes
Que o planalto mirandês oferece,
E que nesta imagem de delirante beleza
Situada no Picote
Pequena aldeia transmontana
Me faz sonhar…
Sonhos que serão ilusões
Ou talvez simples devaneios
Pelos céus de etéreos voos!

Imagino o longe, muito longe,
Onde um fio de água,
Nascido em terras da estranja
Desliza pelas nossas, com a carícia
Que afaga estas nossas arribas,
E que irá, após muitas curvas e escombros,
Correndo por entre profundos vales,
Mergulhar no mar, lá longe, muito longe,
Abraçando-o, feliz pelo dever cumprido.

José Carlos Moutinho

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Desapontamento





Desviava-se dos ventos fustigantes
Convencendo-se de que lhe eram alheios,
mas as folhas secas que se colavam no seu rosto
despertavam-no para a realidade
que se esculpira na sua alma
sulcando-lhe o coração
com desilusões,
que antes se vestiam de utopias,
desfilando em coloridas ilusões
pelas passarelles da escrita…

...Mas a plateia inteligente e superior,
na sua envídia ignorância,
ia-o marcando negativamente
com traços negros de hipocrisia e falsidade
desfazendo sonhos,
abalando a sua anterior coragem
enegrecendo os caminhos do futuro…
…do futuro que se afunilava
para o túnel da resignação
roçando as paredes do desapontamento.

José Carlos Moutinho

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Sou tudo e...sou nada!






Colam-se em mim os sons dos ventos
Que lá fora rugem ameaçadores
Como se desejassem atemorizar-me…
Sacudo-os displicente,
Porque em mim, há a tenacidade
De enfrentar tempestades
E nadar contra marés,
Sou eu, o próprio vendaval
Que repele tudo o que me agrida!

Sou a força da natureza
Que me leva longe
Ao mais alto dos meus anseios
E não são as intempéries em desvario
Que me obstruem o caminho,
Nem tão pouco as ventanias
Me arrastarão por vales indesejáveis!

Tenho em mim a luz que me guia
Pelas noites silenciosas e frias de bréu
E ilumina escuras e imaginadas pontes
Sobre os rios da minha inquietude,
Eu sou a coragem que abomina fraquezas,
Sou a vontade da minha vontade
E o sonho dos meus sonhos,
Sou ilusão das minhas desilusões
Sou tudo e…sou nada!

José Carlos Moutinho