sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Sonhar sonetos





Nos momentos de quietude, eu sou
a brisa, que passa silenciosa
nos braços da alegria a que me dou,
sinto o doce néctar de uma rosa!

Serão divagações as que eu digo,
mas imaginar nunca fez mal,
assim o que escrevo faz sentido
basta pois, que entendam como tal!

Com as palavras gosto brincar
fazendo poesia a rimar
com metáforas a preceito

Ai se eu fosse Antero ou até Camões
faria sonetos, teria menções
neste sonhar, onde eu me deito!

José Carlos Moutinho