As gaivotas voam

SOBRALINHO

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Um tempo

Houve um tempo...
em que o chilrear das aves encantava
em que o Sol deslumbrava
em que a maresia, lembrava a vida
em que um abraço era paixão
em que um olhar e um sorriso era amor
Há um tempo...
em que se ignoram as aves
em que Sol tem a obrigação de aparecer
em que a maresia incomoda
em que um abraço é hipocrisia
em que um olhar pode ser de desconfiança
em que um sorriso pode ser de cinismo
Talvez haja um tempo...
em que nada de tudo isto terá a menor importância
em que a vida passa a ser um sopro
em que um abraço será tão flácido que não carrega hipocrisia
em que um olhar e um sorriso serão tão mortiços que não têm qualquer expressão

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário