As gaivotas voam

SUSPIRO

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Olhei-.te

...
olhei-te e vi o sol
quis abraçar-te, eras nuvem
murmurei-te palavras que o vento levou
pensei-te imaginação ou miragem
pelo anseio de te sentir,
fiquei sem saber quem eu sou
foste utopia de inventada imagem

José Carlos Moutinho
31/8/18

Plágio é crime punido pelo
Decreto-Lei, nº 63/85
dos direitos do autor

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Soneto de sentimento vazio



Foste sopro de passagem do tempo
vinda numa tempestade encharcada
de uma noitada de deslumbramento
que esqueci e de ti não deixou nada

Creio que em ti, de mim nada ficou
como o sopro, a tempestade partiu
daquela noite nada mais restou
o que partilhámos mais ninguém viu

Como as folhas que voam, são os instantes
que não deixam quaisquer recordações
se os sentimentos são simples andantes...

A vida é também, assim, passageira
que pode marcar ou ignorar alguém
e para o evitar não temos maneira

José Carlos Moutinho
30/8/18

Plágio é crime punido pelo
Decreto-Lei, nº 63/85
dos direitos do autor

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Já não sei

Tempo mediado

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Perguntei ao vento

...
perguntei ao vento
que por mim passou
se trazia algum lamento
daquele amor que acabou...
e o vento majestoso respondeu
que de tal, jamais se lembrou
correra tanto que não tivera tempo
de agarrar a carta que alguém escreveu

José Carlos Moutinho

sábado, 25 de agosto de 2018

Vida


Pode chover,
ainda que seja temporal,
pode o calor ser insuportável
ainda que o Sol seja impiedoso,
pode anoitecer
mesmo que o breu te esconda,
porque em mim
jamais deixarás de ser presença,
és a minha vida
e se eu vivo é porque tu me permites
vida minha, minha essência

José Carlos Moutinho
25/8/18

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Pensava eu


pensava eu que eras a água cristalina
que corria no meu rio
mas bastou que o vento te soprasse
para que turvasses o meu caudal
e manchasses as margens
felizes do meu coração…

que, enegrecido,
irá em busca de outras águas
menos volúveis
que consigam purificar
e estabilizar a corrente conspurcada
que em mim, agora, desliza

José Carlos Moutinho
22/8/18

Plágio é proibido
ao abrigo do Decreto-Lei, nº 63/85
dos direitos do autor

terça-feira, 21 de agosto de 2018

Sou

...
Sou brisa nas tardes amigas
sou vendaval nas noites de falsidade
sou tempestade em dias de hipocrisia
sou o abraço do tempo da sinceridade
sou sol, sou lua, sou verdade na cena da vida

José Carlos Moutinho

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Como poderei esquecer


PARA TI QUE ME LÊS


Cantasse felicidade


...
Ah...poeta eu fosse
e faria do mundo uma metáfora
com palavras pintadas de vermelho paixão,
vestiria os rios com as mais belas pétalas de rosa,
inventaria sorrisos nos abraços
e faria rimas com a alegria dos humanos,
distribui-as por quadras ou sonetos
perfumados em versos do mais belo poema
que pelas estrofes da vida
cantasse felicidade...

José Carlos Moutinho
20/8/18

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

A poesia e o poeta

A poesia é de todos
não é de ninguém,
é de quem a lê
não de quem a escreve...

o poeta é um privilegiado
pelo seu dom,
encontra a sua glória
na apreciação do leitor
ao que escreve...

ser poeta, não é ser superior,
é um ser igual, porém,
diferente dos outros...

a poesia não existiria
sem o poeta,
mas, talvez, o poeta sem a poesia
se sentisse incomodado...

não é poeta
aquele que se julga tal,
será poeta, quiçá,
o que conseguir entrar na essência
do sentir de quem o lê

José Carlos Moutinho

ao abrigo do Decreto-Lei, nº 63/85
dos direitos do autor

domingo, 12 de agosto de 2018

Pensamentos

Todos temos uma certeza na vida, um dia ela termina, 
ainda que não queiramos e é aqui, que devemos pensar 
que somos nada na vida que julgávamos ser nossa

****

Aceita sempre a mão do humilde, 
recusa a do arrogante, 
este acha-te inferior e, certamente, 
causar-te-á algum dano