sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Calor que desperta a alma




Lá fora o sol desponta preguiçoso,
Num preguiçar de cintilante languidez,
Entra no meu peito…
Como um despertar para a vida,
Desalojando da minha letargia,
A tristeza que me prostrava
E faz-me pensar-te e sentir-te,
No calor que outrora me entregaste;
Os seus raios, são os teus beijos,
Que me afogueavam os sentidos!
Sinto na brisa quente, o ardor do teu abraço;
As tuas mãos delicadas como seda,
São as sombras, que deslizam em mim!
E o sol vai-se elevando, altaneiro
Como foi o nosso amor;
Torna-se bola de fogo,
Tal como a que ardia em nós,
Vulcão de incandescente paixão,
Que solidificou, nas gélidas lufadas
Daquele inverno intempestivo.

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário