segunda-feira, 28 de março de 2011

Recordações de um outro tempo




Abraço o silêncio das minhas saudades,
Agarro as recordações que teimam em esvair-se
E não consigo deixar de sorrir,
Pelos momentos tantos, que passámos,
Enamorados, ou talvez empolgados,
De que namorávamos.
Eram quimeras e alegrias sentidas,
Inocentes muitas vezes,
Mas imbuídas de paixão,
Sempre com grande ilusão,
Numa envolvência emotiva,
Que nos ultrapassava as vontades,
E contrariavam a razão.
…Ah, aqueles tempos da adolescência Irreflectida.
O bater do coração,
Na ansiosa espera da amada,
Para o primeiro beijo
E o primeiro abraço.
Como papoilas oscilantes,
Tremiam nossas pernas,
E as palavras tanto tempo ensaiadas,
Não surgiam.
No amplexo, tímido, os lábios que tremiam
Os olhos que se fechavam, no desejo,
Na ânsia, no clímax da sensualidade
Eram tempos de um tempo
Que jamais volta.
…Ah, que saudades!

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário