Diversas

sábado, 30 de novembro de 2013

Invernia


O vento fustiga as persianas da minha janela,
Desperta-me para a realidade feroz da natureza,
Sibila acutilante como em sofrimento!

Aproximo-me da janela,
Olho o exterior,
Vejo o tempo transtornado
Revirado pelas folhas que voam
Perdidas do seu rumo,
Árvores que se agitam perigosamente
Numa ameaça constante de cederem
À força que a vida lhes concedeu,
Objectos rolam pelos campos
Como simples plumas!

O céu apagou-se,
Passou de cinzento a negro,
Antecipou-se a noite, naquela tarde,
Tudo é triste, tudo oscila, tudo é breu!

O som gritante da ventania
Agita-nos a alma,
Desassossega-nos o coração,
Assusta-nos a segurança,
Repentinamente
Podemos ser folhas desprotegidas,
Que voem nas asas dos ventos!

É a invernia que nos assola,
Nos enregela os pensamentos
E nos aniquila as vontades,
É a Natureza na sua pujança
E demonstração de sua força
Perante nós, simples seres
Que se deixam fraquejar
E pensar como somos insignificantes.

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário