segunda-feira, 13 de julho de 2015

Sonhos desejados





No silêncio que me murmura utopias

Deixo-me envolver pelos braços da solidão

E na quietude do meu sentir

Levo-me em transe nas asas do pensamento

Por entre as altas copas das árvores,

Sorrindo às aves que me chilreiam

Num festim de sons e cores…



Respiro fragrâncias inventadas,

Viajo arrebatado sobre verdes vales,

Cruzo rios de águas mansas,

Descanso nas margens coloridas…



Retomo minha viagem, chego ao mar

Onde absorvo a maresia das minhas ilusões

E navego…

Talvez sem destino

Ou até onde o mar se faz céu,

Deixo-me inundar pelos reflexos do sol

E perco-me em delírio nos sonhos desejados…



Quero manter-me nesta doce irracionalidade

Até que a minha consciência racional

Me desperte desta fascinante letargia.



José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário