terça-feira, 8 de março de 2011

Vaidade e presunção




Surges na calada da noite
Inesperadamente,
Bela e nua…
De sentimentos e de emoções.
Deslumbras com a tua presença,
Desencantas pela tua vaidade e arrogância.
Não passas de um corpo lindo,
Numa cabeça oca de atitudes;
És uma criatura infeliz,
Na tua insignificante ignorância.
Olha em teu redor…
Repara na humildade de quem passa,
Sente-lhes o calor das áureas,
Que as envolvem na sua singeleza
E aprende-lhes a sua beleza.

Vem, sei que podes mudar,
Desce desse teu pedestal,
Torna-te gente normal
Sê tu, um ser humano.

Porque um dia,
Serás um velho retrato enrugado
Não passarás de uma figura,
Desbotada e triste.

E pensarás que de nada te valeu,
Tanta vaidade e presunção.

José Carlos Moutinho

1 comentário:

  1. É verdade meu amigo poeta, José Carlos!
    Vaidade e presenção de nada valem. Simplicidade
    e humildade são valores superiores.
    Gostei muito.
    Parabéns!
    Bjito amigo

    ResponderEliminar