quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Antevisão ou utopia





Sopram assustadores, os ventos do leste,
Trazem soluços de dor calada
Na antevisão do apocalipse
Que paira sobre nós…
Recuemos no tempo,
Tempo bem recente, de triste memória
Reflictamos sobre a desumanidade
Que grassa numa frieza implacável!

Pensemos no leste gelado e cru
De onde o iceberg pode explodir
Em rochas de tristeza e sangue
e afundem esta Europa cansada
inapta e acomodada!

Olhemos o fanatismo que nos cerca
E que faz da vida humana,
Nada…
Por vaidade  e poder
Em nome de uma religião
Que nega a violência e a morte!

Estamos perdidos neste mundo de Deus,
E aqui neste rectângulo
À beira mar plantado,
De sol cintilante e mar sereno
Sofremos a agrura da vida,
Que nos impôem em nome de uma nação…
Nação que nos abandona, à mingua
E oferece como alternativa
A eterna emigração de outros tempos…
De todos os tempos em que sempre assim foi
E continuará a ser…
Até que vozes gritem mais alto,
Acima das cabeças coroadas de coisa nenhuma
E façam das misérias que nos oferecem,
Armas de luta pela dignidade
Que nos roubam descaradamente!

Espero que no distanciamento
Entre mim e a eternidade,
As consciências se acalmem
E que neste mundo perdido e louco
Findem as mentes ditatoriais,
A paz seja uma realidade
E que a fome seja um sonho mau
que felizmente a realidade contradiz.

José Carlos Moutinho
4/9/14

Sem comentários:

Enviar um comentário