segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Não nasci em África





Não nasci em África,
mas em mim, nasce todos os dias
o sol das alvoradas tropicais,
que me enternece os sentidos
pelo por-do-sol matizado
de nuances vermelhas…

Entranhou-se no meu peito
o cheiro da terra molhada
e da brisa das tardes quentes
que o cacimbo refrescava…

Colou-se nas minhas retinas, agora cansadas,
o fantástico fulgor das florestas densas
que eu percorri, com imensa alegria
nas viagens da vida
em missão profissional…

Suspira-me a alma
na saudade do oscilar dos ramos verdes,
que a esperança imbuída de serenidade
me abraçava,
quando eu, no silêncio de mim
e da paisagem bucólica que me rodeava,
me aquietava no meio do nada,
isolado do mundo,
entregue ao meu pensamento
e ao sorriso da natureza…

Pela minha memória,
vai-se soltando o pó vermelho
do chão duro, sem o negro asfalto,
quando o vento me assoprava
nuvem matizada e opaca
obstruindo-me a caminhada
e me fazia parar…
numa simbiose sentimental
entre o deleite e o aborrecimento
da forçada suspensão de viagem…

Era um outro mundo
pleno de vida e cor
de melodiosos sons e doces fragrâncias…

Era, e é, a África portentosa,
Era Angola belíssima,
minha terra de coração,
meu desalento e tristeza
nesta saudade que me atormenta,
nesta minha paixão que jamais morrerá…

Angola, minha querida terra vermelha,
chão feliz da vida
meu sentir dolorido,
Deixaste-me
ou, talvez tenha sido eu a deixar-te…
Mas estarás sempre na minha alma,
Até um dia…minha Angola!

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário