Diversas

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Febril loucura





Apetece-me escrever sem parar
numa avidez febril de loucura,
as palavras baralham-se no ar
buscando uma assertiva postura.

São trapalhadas sem nenhum nexo
que vão desfilando p’lo alvo papel,
não sei se sou eu que escrevo ou o reflexo
da minha mente, que corre em tropel.

Afáveis, as letras fazem poema
cantando o amor em tão belo tema,
que acalma o meu desejo de escrever…

Olho fascinado aqueles versos
que de mim se soltaram dispersos,
fico feliz sem a razão saber…

José Carlos Moutinho

Sem comentários:

Enviar um comentário